segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Artigo de Revista

Mais um artigo profissional colocando dicas sobre um tema muito difundido hoje de pequenos espaços masculinos, fico agradecido pelo convite da Revista Saúde interativa, em extensivo a minha amiga Silvana Maldaner pela oportunidade de decorrer sobre um assunto tão intrínseco a mim justo por ser meu padrão de moradia. A edição online já está a disposição para consulta.



sexta-feira, 27 de maio de 2011

exercício ilegal da profissão

Colegas e interessados, rápido e rasteiro. Essa semana um fato levantado na nossa reunião da Comissão de Arquitetura do CREA me motivou a escrever e alertar de um fato que já venho percebendo e tomei as iniciativas e oriento quem quer fazer o mesmo para ajudar a valorização de nossa profissão.


Um caso de Exercício Ilegal da Profissão:

Problema: o comércio e as grandes lojas de magazine que vendem móveis populares ou nem tanto estão treinando funcionários medíocres, em nada formados quem dirá como arquitetos, a trabalhar com programas de informática que desenham móveis para que executem projeto de móveis planejados. Com o agravante de mexer no ambiente com sugestões toscas, incentivando a venderem objetos de decoração, eletrodomésticos e demais produtos da propria loja. ISSO É EXERCER ILEGALMENTE A PROFISSÃO DE ARQUITETO!

Enquadramento: essas lojas e os devidos funcionários estão exercendo ilegalmente a profissão de arquitetos de interiores, uma vez que estão planejando ambientes inteiros, modificando sem o devido conhecimento técnico.

Denúncia: as providências necessárias para denunciar e pedir a comprovação da fiscalização do nosso Conselho é relativamente simples. Basta denunciar via CREA intitulando a denúncia como Exercício Ilegal da Profissão e comprovar o caso é simples, anexe junto algum material promocional da loja que mostre que poderá planejar móveis e sabendo que essa loja não comporte em seu quadro de funcionarios algum arquiteto. Outra medida cabível é ligar ou procurar a loja como cliente e solicitar que deseja planejar móveis, caso a loja forneça tal serviço e entre em contato com o CREA.

Caso resolvido: tivemos a comprovação de caso nesses moldes com solução que colaborou com nossa profissão. Em Lajeado, na matriz das lojas Certel, foi feita denuncia nos moldes que exemplifiquei, após autuação do CREA e julgamento do caso pela Comissão de Arquitetura dos colegas da cidade, a loja foi obrigada a contratar um profissional arquiteto em seu quadro, valendo sua atuação somente na loja onde este profissional esta locado, e um posto de trabalho foi aberto. Meus cumprimentos a Comissão, cada dia mostramos que é válida a luta pela classe.

É nossa obrigação cuidar desses casos e denunciar por vias legais para que possamos nos sentir cidadãos e profissionais atuantes. A contar, essa semana estou encabeçando junto ao CREA Santa Maria uma averiguação no comércio local, junto aos meus colegas de Comissão, estamos na luta por melhores condições e valorização profissional.

Para denunciar podem entrar em contato via site do CREA, ligar Disk Denúncia ou procurar sede do CREA de sua cidade, abaixo os telefones e endereço eletronico.
http://www.crea-rs.org.br/ (caso estado do RS)
0800 510 2563 (disque segurança) 

quarta-feira, 18 de maio de 2011

tecnologia até nas garagens

Impressionante a genialidade e o que um ser humano é capaz de idelizar. Talvez culpa da necessidade de espaço limitado e o volume de veículos lançados todos os dias ao trânsito, hoje já caótico, impulsione gênios da mecânica e profissionais do ramo construtivo a pensar algo tão impressionante.

Outra observação que faço aos colegas até relativo a nossa dissociação do sistema CREA, pensamos o que é capaz de alcançar a parceria entre engenharia mecânica, arquitetura e todas áreas afins. A multidisciplinaridade é fundamental em soluções como essa.

Acesse o link postado abaixo e assista a apresentação. A fonte de onde foi retirada essa apresentação sugere que o sistema é existente e procede em uma obra de Madrid.